Águas calmas são profundas.

  O mar sempre me fascinou.

O som das ondas quebrando na costa, as pequenas ondinhas que continuavam e se juntavam com a areia na praia que me lembravam leite achocolatado. Até mesmo os tsunamis me encantavam. Como pode a água ter tanta força assim? Ela está calma, e quando percebemos, varre uma cidade inteira e destrói tudo que vê pela frente. A água é capaz de feitos absurdos.
  É engraçado imaginar que somos 70% água, e que se a Lua consegue afetar grande parte do planeta azul em que vivemos, o que impede de fazer o mesmo conosco? Bom, isso é um debate para outras pessoas, com um entendimento especializado.
  De qualquer forma, ainda acho o mar algo magnífico. Nada na terra pode se comparar a força e os mistérios que lá se encontram.
  Há a Fossa das Marianas, o lugar mais profundo do oceano. Há também piscinas naturais, córregos, rios e riachos. Da mesma forma que, em nossa mente, temos nossos pensamentos mais íntimos e profundos, que apenas nós mesmos conhecemos, e outros que mostramos ao mundo, para apreciar ou até mesmo para que os outros aprendam com as nossas qualidades questionáveis. Um rio poluído segue sendo um rio.
  Certa vez, observando uma pequena ilha isolada da costa de Santa Catarina, avistei outra mais à fundo, e se fizesse um pouco mais de força, dava para ver um navio de carga passando. Ninguém na praia ia muito além de onde dava pé, mesmo que houvesse uma ilha há alguns metros. Seria necessário nadar, mas ainda assim era acessível.
  É muito comum termos medo do desconhecido, e chega a ser surpreendente como conhecemos mais do próprio espaço sideral que o mar, que está tão perto. De certa forma, o mar realmente chega a ser mais misterioso, e se pensarmos bem, a curiosidade e o medo andam de mãos dadas.
  Tem gente que surta se alguma coisa passa pelo seu pé na água. Claro, ao mesmo tempo que pode ser, sim, uma água-viva, pode ser uma alga ou uma sacola, que é bem mais provável, infelizmente. E imaginar que, mais à fundo, há criaturas tão majestosas e grandiosas, mas ao mesmo tempo, desconhecidas.
  Lembro de ter visto vários vídeos de pescadores que, em algum momento da filmagem, baleias davam um show com suas caudas ou jatos d’água. E em nenhum momento era possível vê-las, até que ficassem distantes o suficiente e se faziam aparecer. E olha que elas são animais gigantescos.
  Ao analisar essas informações sobre o mar e seus derivados, percebi o quão similar é com o que temos em nossas vidas, e que não percebemos por pura distração.
  Vemos nosso nariz toda hora, mas nosso cérebro prefere escondê-lo, e é da mesma forma com as coisas da vida.
  Quantos recursos deixamos de aproveitar da ilha em que estamos porque não tentamos ver, e por isso desejamos chegar na outra ilha, e quem sabe, acompanhar as cargas do navio e ser levados para onde o vento quiser. Contanto que a maré não abaixe, talvez esteja tudo bem.
  Presos na imensidão do desconhecido e em nossas ambições, não percebemos a natureza que nos abraça.
  A Lua reflete a luz do Sol, mas por que não refletimos a luz que nos é dada?
  Os recursos ainda estão na ilha.
  Não permita que eles só sejam vistos quando já não estão mais a seu alcance. Que possamos aproveitar o balanço do barco quando as baleias passam, e não apenas a visão de suas caudas quebrando a água. A vida e seus recursos estão aqui, em baixo de nossos narizes. Só espero que nossos cérebros nos deixe apreciá-las, a partir de agora.
  Águas calmas são profundas.

Compartilhe esse artigo nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

João Paulo Machado Mantovani

Em nossa agenda cheia de hoje vamos conhecer um pouco sobre joão paulo machado mantovani curriculo: Possui graduação em Engenharia Agronômica Universidade do Oeste Paulista (2008). Pós Graduação (lato senso) em Gestão de Empresas pela Federação Getúlio Vargas. Mestrado em Agronomia na Área de Produção Vegetal pela Universidade do Oeste

Dieta/Alimentação para os iniciantes de musculação.

Salve Rapaziadinha Leonardo Monteiro na área! O que eu devo comer quando começo a treinar ? Devo focar em emagrecer ou ganhar músculos ? Tenho que cortar os carboidratos para emagrecer agora que estou fazendo academia ?     . Perguntas frequentes no nosso meio, tanto pra quem está começando

𝐀𝐑𝐑𝐀𝐈𝐀́ 𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐎𝐂

🗣 ÓIA COBRAAA… SENTEI 🐍 🏳️‍🌈 Pocfest Produções Apresenta: 🤠🌽 𝐀𝐑𝐑𝐀𝐈𝐀́ 𝐃𝐀𝐒 𝐏𝐎𝐂 🌽🤠(ATÉ O SOL RAIÁ – 5hrs de festa + After) 📆 SAVE THE DATE: 2 de JulhoSábado – Dás 23h às 7h (8hrs de festa) 📍Local: @portalbarepub Vocês pensaram que não ia ter Quermesse né?Pois então já

Cripto Day

‼️ Ladies and gentleman! ‼️🎩 Estamos a instantes do Cripto Day, preparados ? 🫢 Uma nova éra, chegou a sua vez de conquistar o novo, bem vindos ao mundo lance certo. 💪👌 🗓 01.Julho (sexta-feira) a partir das 19h00 no Célimo buffet em Tupã-SP, vamos celebrar esse marco em vossas

Tiago Baracat Sanchez e Mariana Flacon

Aconteceu sob a benção dos pais convidados, e o jet set tupiniquim a confirmação do matrimonio do casal Tiago Baracat Sanchez e Mariana Flacon, A  Usina São Domingos Catanduva SP.  foi o palco desta magnifica festa com tudo de bom que ocasião merecia, Aos noivos só posso desejar felicidades.

COLETIVO TIBIRA – LGBTQPIA+

Surge em 19 de fevereiro de 2022. O Coletivo, sob convergência do mártir Tibira do Maranhão, da Revolta de Stonewall e dos movimentos LGBTQPIA+ do Brasil, acaba nascendo tendo um pouco de cada um destes registros históricos. Tupã é uma cidade referência quanto as questões indígenas, tendo forte influencia desde

Elizabeth e Maria Victoria

Final de semana passado o Vale do Canaã viveu um verdadeiro conto de fadas: Contos de fadas são encontrados tanto em tradições orais quanto em literárias. O nome “conto de fada” foi concebido pela primeira vez por Marie-Catherine d’Aulnoy no final do século XVII. Muitos dos contos de fadas atuais evoluíram de histórias seculares,

Rolar para cima