“La femme et le TGV”.

Não ando dormindo muito cedo.
  Na verdade, se formos analisar que, devido a minha insônia, acabo não dormindo e quando caio no sono já é dia, talvez eu esteja dormindo cedo sim. Aí vai do ponto de vista.
  Durante uma dessas noites que não dormi, me deparei com um curta metragem nos confins de uma plataforma de streaming; ele se chamava “La femme et le TGV”.
 
O filme, baseado em uma história real, falava sobre Elise, uma mulher solitária que morava do lado de um trilho de trem, e que toda manhã abria a janela para acenar quando este passasse. Certo vez, uma carta escrita pelo condutor do trem, Bruno, cai no seu jardim, e desde então começam a se comunicar por elas. Elise enviava as cartas, que escrevia numa máquina de escrever, por correio e no dia seguinte, quando o trem passava, era respondida por outra carta ou presentes, principalmente os queijos caseiros feito pelo condutor.
  Elise era uma pessoa sem muitas conexões, já que seu marido havia falecido e seu filho morava fora, ela se via sozinha a maior parte do tempo. Sua padaria havia sido esquecida, apagada pelos mercados da redondeza, tendo apenas uma cliente fiel, que fazia os mesmos pedidos diariamente.
  Durante um dia de trabalho, um jovem, Jacques, estaciona na frente do seu estabelecimento, pois estava indo até um estúdio de dança do outro lado da rua. Irritada, pois a vaga era apenas para clientes, ela vai até a porta do local onde o garoto adentrou e bate na porta que logo é aberta pelo mesmo. Ela dá uma bronca nele, e amigavelmente é respondida com um convite para dançar com ele e as meninas do estúdio. Elise explicou a situação e exigiu que o carro fosse retirado, e Jacques disse que poderia se tornar cliente também.
  Em outro momento, o garoto vai até a padaria de Elise e compra algumas trufas antes de retornar ao estúdio. Tentando se aproximar dela, ele menciona o anúncio de que ela procurava um ajudante, mas ela nega estar precisando.
  Da vitrine do estabelecimento, era possível ver a sombra de Jacques dando uma delas para uma das dançarinas, e então um beijo. Aquilo engatilhou uma ideia em Elise de que ela e Bruno, o condutor do trem, estariam num relacionamento. No dia do aniversário dela, ela se encontra com seu filho, Pierre, o qual acredita que sua mãe deveria se mudar para uma casa de idosos, mas ela nega a sugestão e ainda diz que estava bem, inclusive, estava namorando. Quando Pierre ouve quem era o suposto amado de sua mãe, ele entra em choque. Ainda mais quando ela some do nada do restaurante onde estavam. Ela havia ido para casa, pois estava quase na hora do trem passar, mas isso não ocorreu.
  Se recusando a usar a internet ou até mesmo um computador, ela entra em contato com a empresa do trem que diz que aquele havia mudado tanto a rota quanto o itinerário. Abalada, Elise pega no sono, e é visitada por Bruno durante a noite, que não conseguindo acordá-la, deixa apenas uma carta por baixo da porta, dizendo onde poderiam se encontrar, pois teria que mudar de cidade, e assim o encontro deveria ocorrer dentro de um certo horário.
  Elise, então, ao ver a hora, pega sua bicicleta e segue até a cidade onde Bruno pegaria o trem, e no caminho encontra Jacques, que dá uma carona para ela, e inclusive a acompanha.
  Ao chegar na estação, Elise procura por seu amado, mas ele já estava dentro do trem. A chamando, a mulher vê Bruno se comunicando através da janela, e ele apresenta sua esposa.
  Depois de alguns segundos, a cena é cortada e mostra Elise na padaria, alegre, junto de Bruno com um chapéu de cheff e pode se ouvir do lado de fora um anunciante falando sobre a reabertura da padaria de nossa protagonista, e uma multidão de pessoas esperando pela abertura das portas. Em uma das cenas finais, Elise está escrevendo em um computador, que tomou o lugar de sua máquina de escrever, e esta comenta: “Eu sempre quis me firmar na minha vida. Eu tinha medo de perde-la” Me pergunto se eu realmente precisava escrever um resumo do filme, eu poderia ir direto ao ponto, mas acredito que se tivessem um aprofundamento do que eu queria que vocês vissem comigo, ficaria mais simples onde quero chegar.
  A vida é como um trem.
  Os trilhos vão continuar ali, mas circunstâncias nos fazem ter de mudar o itinerário, a rota, às vezes até mesmo a região onde vamos residir, e que muitas vezes não está nos nossos planos. Não faz parte dos nossos sonhos.
  Elise se viu presa em fazer as mesmas coisas todos os dias, pois assim o fazia com seu filho quando criança, que seguiu um rumo diferente tanto literalmente quando figurativo, que ela esperava.
  O tempo passa.
  O tempo passou, não é mesmo?
  Não sei de muitas coisas, na verdade, nem sei se eu sei de alguma coisa.
  Não tenha medo de perder a vida, tenha medo de não aceitar que ela continua.
  Se acreditarmos que os dias bons ficaram no passado, não vamos nos permitir vivenciar os que estão por vir.
  Que o condutor mude.
  Que o itinerário não seja mais o mesmo.
  Mas se o ouvir o barulho dos trilhos do trem, jamais deixe de acenar.

Compartilhe esse artigo nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 310

No mundos dos fashionistas , Moda é coisa de indústria e Estilo cada um tem o seu, como diária “Glorinha Calil”, acho que assim definimos, a criatividade e bom gosto de Fla Baracat, a cada pesquisa para a nova estação ele faz bonito além da pesquisa in loco, ansioso para

odair marcuzzo 70 anos

FAMILIA MARCUZZO, é sempre um grande aprazer estar com vocês, primeiro por todo o carinho e acolhimento com todos, Silvana e Ana Paula, tenho certeza que o Odair esta muito Feliz, todos os detalhes estavam impecáveis, a muito tempo um sábado não estava tão badalado em terra tupiniquins, alias estávamos

03 aninhos do DUDU

Os queridos Amanda e Ricardo Manzano receberam no sábado no Buffet Maquina da Alegria os amigos, vips e familiares para celebrar os 03 anos de Eduardo DUDU Manzano, os avós Lucilene  e Marcelo Sabatine, Martha e Valter Manzano também compartilharam deste momento de muita alegria, e brincadeiras, Dudu espoleta como

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 309

“ Diamond “ O seu nome logo me remete o império dos diamantes & joiás finas, que assim como entrelaçaram as mãos no noivado de Ronaldo Nazário “ fenômeno “ & Daniela Cicarelli, faz da joalheria de luxo norte- americana, na famosa esquina Fifth Avenue com 57th Street, em Manhattan :

Leonardo Monteiro – Frango da Maromba

Salve, salve rapaziadinha. Bom, meu nome é Leonardo Monteiro, eu tenho vinte e seis anos, sou morador da cidade de Tupã, São Paulo. sou atleta de fisiculturismo amador com muita honra que eu falo isso hoje depois de muito trabalho duro sou dono da marca e da página Frango da

DIFERENÇA DE PORTAS BY VALDIR PLANEJADOS

Poucas pessoas sabem, mas há algumas diferenças entre as portas provençal e escandinava. A porta escandinava é conhecida por seu minimalismo e traços em linhas, que tornam os objetos sofisticados de forma simples. Já a porta provençal, possui um estilo que une romantismo e delicadeza. Nesse modelo, inclusive, o desenho

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 308

Na tarde de hoje o Presidente do Instituto Luiz Bertazzoni Charles dos Passos Sanches  e eu recebemos na sede do Instituto a presença ilustres dos Representantes da Banda Velho Night, para tratar da parceria para a contra partida do EDITAL Nº 001/2021 DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CREDENCIAMENTO E SELEÇÃO DE

FESTAETT 2022

O Festival Nacional de Teatro 2022 organizado pelo Grupo Ágape de Teatro e Ponto de Cultura Teatro gera Vida, acontecerá de 25 a 29 de maio de 2022, depois de 02 anos paralisado em virtude da pandemia de Covid 19. A programação contará com 08 espetáculos das cidades de Paraguaçu

Rolar para cima