— Ei, vamos brincar! —, exclamou a pequena, que foi ignorada por aqueles que se encontravam no quarto com ela. Junto dela estavam eu e meus primos, todos mais velhos que a garotinha entediada.
  Apesar de termos diferença na idade, tínhamos algo em comum; nossa atenção era dirigida aos aparelhos digitais. Meus primos em seus respectivos celulares e eu no computador.
  Como, dos três, a mais nova era mais apegada a mim, esperavam que eu desse uma resposta e continuidade a proposta da mesma. Bom, assim o fiz.
  Meus primos se encontravam sentados na minha cama e nossa pequena convidada em uma poltrona.
  — Tudo bem, espera eu terminar essa partida que a gente vai brincar. —, a respondi, voltando minha atenção ao jogo. Num cenário competitivo, é necessário manter o foco, mesmo que em um ambiente virtual. Ainda assim, pude notar, pelo canto dos olhos, que a menininha se emburrou e se afundou na poltrona. Era nítido o tédio no seu rosto.
  Pouco tempo depois, a partida havia terminado e me virei para nossa visita, a qual prontamente olhou de volta pra mim, mas com uma expressão ainda emburrada.
  — A gente pode brincar agora? —, inquieta, ela me perguntou.
  — Claro, mas brincar de quê?
  — Não sei, de qualquer coisa, ué.
  — Como assim qualquer coisa? Você que queria brincar, então pensei que você já tivesse algo em mente. —, minha resposta foi um pouco ríspida, então suspirei e desviei o olhar. Fiquei envergonhado de ter respondido a uma criança dessa forma, como ela mesmo disse, que nem gente grande.
  — Vocês só ficam nesse celular, jogando! —, ela esbravejou. Sua postura, na poltrona, havia mudado; ela realmente demonstrou um certo nível de revolta.
  Esperando que eu tomasse algum tipo de providência, meus primos olharam para mim e eu tornei a encarar a menina.
  — A gente não é mais criança para saber brincar.
  — É, mas um dia vocês já foram crianças também! —, aquela réplica ecoou (e ainda ecoa) na minha cabeça, enquanto a assisti levantar da poltrona e sair do quarto.
  Hoje essa criança já é uma moça e desenvolveu hobbies diferentes dos nossos, felizmente.

  O relato acima não é por acaso, como tudo que escrevo. Este texto irá ao ar, originalmente, durante a Semana da Criança, e por isso gostaria de refletir sobre ela. Não, não sobre a data e nem aos pequenos que vivem conosco, mas sobre aquela criança, que em algum momento de nossas vidas, se emburrou na poltrona e quando viu que não tinha lugar ali, foi embora.
  A vida é feita de fases, muitas delas, e a infância é primordial pra muitas das características que vamos levar pelo resto de nossa jornada, sejam elas boas ou questionáveis.
  Acho engraçado como as pessoas negam a mudança e percebem a vida como um conjunto de renúncias e não como um acordo entre prioridades. Há, sim, muitas escolhas na vida que exigem que abramos mão de outros objetivos, compromissos, mas isso não significa que tudo deve ser abandonado pois a vida quer assim.
  Quem sabe, nesta semana tão especial, os leitores deste texto estarão presenteando suas crianças? Quem me dera houvesse uma criança lendo-o também; me sentiria a pessoa mais honrada do mundo em saber que pude proporcionar um momento de lazer e reflexão a alguém iniciando sua jornada na vida.
  Quando pequenos, caímos muitas vezes e nos machucamos, mas com o tempo nosso joelho ralado cicatriza; nem o Merthiolate arde mais, e assim vamos vivendo.
  Como a criança que queria brincar mas seus companheiros não conseguiam a compreender, o mundo assim nos convida a aceitar a notoriedade de que a infância é tão linda, mas tão superficial e passageira, enquanto, na verdade, ela continua firme e forte dentro de nós.
  Aquela criança na poltrona ainda existe dentro da mocinha lendo livros, e bom, aquele garoto no computador ainda está no mesmo lugar, mas a corrida contra o tempo já não é mais com os jogos, mas com as exigências da vida adulta. Ainda assim, a criança que ele foi ainda existe, e se estivesse estimulada como a maturidade que nos cobram desde muito jovens, certamente estaria fazendo companhia para aquela criança, que espera pelo momento que seus companheiros estejam livres para brincar com ela.
  Enquanto houver vida, há existência de todos os nossos eus.
  Não permita que rotina monótona silencie o chamado da criança.
  Se permita ser feliz, ser livre para estimular nos outros a fantasia e a imaginação, mesmo que o mundo te diga “não”. Não permita que o sonho morra na fronha.
  Não permita que aquela criança se levante da poltrona, e muito menos que o superficial do mundo digital, profissional e material entrem em conflito, mas buque formas de entrar em acordo.
  Não sei em que momento da vida começamos a fugir da chuva em vez de almejar nos encharcar e deixar que a enxurrada nos leve, mesmo isso sendo um tanto quanto imprudente. Também não sei quando deixamos de construir castelos de areia para querer construir impérios que ruem tão rápido quanto.
  De qualquer maneira, busque sua felicidade. Não acredito que ela vai estar em coisas materiais, mas nos momentos que estes nos proporcionam. Viva como a criança que procura com quem brincar, sem medo de ser julgada, pois no final, o arrependimento será unicamente seu.
  Não estou dizendo para abdicar dos compromissos da vida adulta, mas sempre que possível, se permita ser criança mais uma vez. A infância é só uma parcela da nossa vida, depois disso, somos apenas “gente grande”, que muitas vezes, diminuem por dentro.

Compartilhe esse artigo nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 267

” Girl From SP! ” No dia em que a terra da garoa completa seus 468 anos, em meio a uma terça quente batendo 37 graus, nossa menina tupiniquim não podia estar de fora desta capa. Caroline Sanches, 27 aninhos, nutricionista, faz história na terra da oportunidade, nossa querida São

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 266

” Duelo de Titãs ” Brincando com as palavras em um divertido post do nosso querido Militar tupiniquim; Thiago Sanches, ele pousou neste close em destaque no pôr-do-sol mágico de Maresias, quintal do nosso Bicampeão mundial de surf; Gabriel Medina! Curtindo o verão em folga mais que merecida pelo litoral

TODA VERSATILIDADE DE MACRAMÉ

O macramê (do árabe makrama “guardanapo” ou “toalha”) é uma técnica de tecelagem manual que consiste no uso de nós originalmente usada para criar franjas e barrados em lençois, cortinas toalhas etc. É mais do que provável que tenha surgido com a evolução natural dos nós básicos para um trabalho mais elaborado. por ser uma técnica muito boa para

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 265

“Lar doce lar” Seja muito bem vinda queria amiga Maria Eduarda Baracat Sanchez, após o termino da festas e compromissos familiares a Fazenda Bandeira recebeu ontem o retorno da família, nada melhor que estar em casa com nossos familiares e receber o carinho de todos,  com as energias renovadas,  Dr.

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 264

” P&B ” Já viu a nova campanha infantil da Johnson & Johnson ? Claro que não! esse retrato preto & branco é tão natural e vivo quanto um distante comercial de TV, que sabe lá, quem são os personagens do enredo. Este em questão; é de uma das flores

DEU a LOUCA na DRICA ESTÉTICA e BRONZE

A Drica como você, mulher pensa e quer está bronzeada e arrasando no Carnaval, pele bronzeada e com a aquela marquinha… E aqui alguns BENEFÍCIOS do BRONZEAMENTO Aumenta sua Autoestima Aumenta o Desejo Sexual Absorção vitamina A, C, D e EBomba de hidratação da hidratação da sua pele, além das

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 263

” My Gód ” Como diria meu querido amigo Luciano Huck; soletrando! Meus caros, soletre; UMA AFRONTA! é assim que defino essa surra de click da minha favorite girl: “Ana Luiza Sanches “. A digital influencer tupiniquim, que além de arrastar multidões de likes em sua redes sociais, com seus

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 262

” OMG ” Não dou conta de tanta beleza em uma foto só, com um pôr do sol épico ao fundo, modéstia parte & suspeito a falar; ” Giovanna Sartori ” é o rostinho número 1 no meu top Five do; 014 ao 018, que male male cabe em uma

Rolar para cima