Desde muito jovem ouço todo tipo de ditado popular, porém um que comecei a ouvir com mais frequência que outros era que o tempo é dinheiro. Concordo com a frase, mas parcialmente. O tempo não é um pedaço de papel, muito menos algo tão sólido quanto o aço das moedas. Há muitos anos, esse termo não existia, e no lugar de objetos que possuíam valores fixos, faziam trocas entre objetos que acreditavam ter o mesmo valor que o que almejavam, esta ação era chamada escambo.

Transferir nossos sentimentos aos outros é uma atitude questionável, mas acredito que, pelo menos alguma vez já tentamos preencher um vazio com coisas materiais; seja uma roupa, um celular, etc. Na hora, até pode ter aliviado um pouco, mas logo aquela sensação volta, porque fomos ensinados tanto que devemos ter algo, que esquecemos de ser. Não é sobre ter um diploma ou um título, é sobre exercer o que você faz com amor. Infelizmente, nosso corpo pode até ser um templo, mas não vai ser preenchido com objetos como tal.


Certa noite, voltando para meu apartamento, um jovem me abordou.


Seus cabelos cacheados e escuros combinavam com sua roupa; ele parecia levemente alterado, portanto fingi não ter ouvido. Recém chegado na cidade grande, temia inclusive minha penumbra. Ele não parecia ser muito mais velho que eu, então quando ele me chamou mais uma vez, decidi atendê-lo. Talvez ele só quisesse saber as horas.


  — Que estilo da hora, meu! —, comentou, no mais caricato sotaque paulistano. O mais incrível é que eu não vestia nada demais.
  — Obrigado. —, agradeci, já voltando a caminhar, e sorrindo de canto.
  — Peraí, cara, vamo jogar jan-ken-po! —, o garoto parecia animado, já colocando sua mão em frente da outra. Essa brincadeira também é conhecida como “pedra, papel e tesoura”.


  Eu havia achado aquele convite deveras estranho, na verdade, ainda acho, mas ao menos vejo sentido, hoje em dia.


  — Pô, cara, nem vai rolar. Tô sem tempo; tenho que ir pra casa. —, tentei desviar do desconhecido. — Além do mais, eu sou azarado. Vou perder. —, continuei, tentando me justificar.
  — Sabe, às vezes, o azar é uma coisa boa! Jan-ken-po! —, o garoto ignorou minhas esquivas e foi direto ao ponto, fazendo os movimentos. Como ele já havia começado a jogar, decidi que alguns segundos não fariam diferença, e devolvi. Ele ganhou a primeira rodada.
  — Eu avisei, tenho azar. —, ri e ele balançou a cabeça em negação.
  — Nada disso, ainda tem mais rodadas.
Na segunda, eu acabei ganhando e ele sorriu para mim.
  — Agora a gente tem que desempatar!
  — Haha, sim! —, honestamente, eu fiquei animado com aquela rodada.
  — Jan-ken-po! —, ele disse, pela última vez, a qual eu ganhei novamente. — Viu? Você ganhou! Se isso é ser azarado, já pensou se tivesse sorte? —, o anônimo sorriu mais uma vez e me puxou para perto, dando um aperto de mão.


Por algum motivo, eu fiquei feliz com o resultado inesperado daquela interação que eu queria ter evitado.
  — Agora eu te libero! Pode ir, boa noite!
  — Boa noite.


Nos despedimos, e apesar da calçada do prédio ter vários comércios bem frequentados por jovens, nunca mais vi aquele menino, mas sei que jamais vou esquecê-lo, e agora eternizá-lo em um texto, para que outras pessoas também o conheçam.


Mas por que eu vim relatar isso tudo para vocês? Me perguntam. 


Basicamente, o tempo não é palpável. Ele pode ser sentido e visto, como os ponteiros dos relógios ou nas rugas que vemos aparecer, aos poucos, em nosso rosto, mas não podemos pará-lo ou retornar à momentos que já passaram. O acaso é inevitável, e tentar evitá-lo é, sim, perda de tempo. Podemos fazer cronogramas, mas o tempo sempre vai se encarregar de dizer para onde ir e o quê fazer.


Eu não sei o que teria acontecido se eu tivesse simplesmente ignorado o garoto, mas certamente foi um momento divertido onde dei meu tempo em troca de uma experiência que jamais saberei explicar o que motivou ele a fazer o que fez, e essa é a graça da vida.

Não somos apenas a nossa casca, mas os lugares que frequentamos, as pessoas que conhecemos; uma constante inconstância, que jamais permanecem as mesmas. O hoje é o ontem de amanhã. A experiência, o momento que compartilhamos com os outros, esse sim é o dinheiro, ou melhor dizendo, o escambo.
 

 
 
 

Compartilhe esse artigo nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

viva a diversidade – festa do pijama – pocfest eventos

Um super produção organizada por ninguém menos que o DJ Pietro ou Pedro Henrique, com o apoio de seu esposo Ricardo , foi organizado na noite do último sábado a Festa do Pijama,  na estrutura da festa que a muito tempo a comunidade LGBTQI+, aguardava com muita ansiedades pois desde

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I -EDIÇÃO 232

Hoje e o dia de nascimento da doce e querida Maria Eugênia Baracat, as tias Fernanda Baracat Jundi  e Maria Eduarda Baracat Sanchez, postaram lindas homenagens a sobrinha muito querida por todos. Parabénssssssss!!!! Músico, construtor, arquiteto e solidário, um verdadeiro cavalheiro, Parabéns Marcos Taylor, que Deus te abençoe sempre Parabéns

batizado Isabel Fiuza Rasi – fotos reginaldo Manente

O batismo é o nascimento. Como a criança que nasce depende dos pais para viver, também nós dependemos da vida que Deus nos oferece. No batismo, a Igreja reunida celebra a experiência de sermos dependentes, filhos de Deus. Por meio desse sacramento, participamos da vida de Cristo. Jesus Cristo é

Studio Mércia Gomes

designer sobrancelha  A sobrancelha, sobrolho ou supercílio é uma pequena porção de pêlos que servem para proteger os olhos de alguns mamíferos, localizando-se logo acima da celha, de onde vem seu nome. A sobrancelha é um retículo que fica acima do olho. Sua principal função é evitar que o suor, a

somos 2k

Para alguns ainda é pouco, eu só tenho a agradecer são 2000 seguidores no Instagram @viana.maro, onde posso compartilhar com vocês as alegrias e acontecimentos, #gratidão

Estúdio Danifit treinamento e Dança – CELEBRA OS 16 ANOS

Ligada no 220, Daniele Tanaka Reynol, ou Dani Fit, mãe, professora esposa, Oficineira, empresaria, adjetivos, não faltam para definir tanta personalidade, na noite de de 16 de outubro, no RESTAURANTE LA EM CASA, concidentemente ela celebra 16 anos de sua luta diária para misturar, musica, dança, exercícios, auto estima, cerca

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 231

Boa dica para sexta, o que acha  daquele gole que deixa até bigode pra começar a sexta! 🤪🍹⠀Factory Drinks: a sua fábrica de bons momentos!🍹🧊⠀#factorydrinks  #happy #sextou #drinks #fabrica #momentos O sulco nasogeniano, conhecido mais popularmente como bigode chinês, é um tipo de ruga localizada redor da boca, que vai do nariz até abaixo

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 230

Fernanda Buono em 20 de outubro de 2021 encerrou  mais um ciclo em sua  vida. Defendeu a monografia da segunda pós-graduação. Em higiene ocupacional na Universidade de São Paulo-USP. Após o termino de seu colegial, ou ensino médio, a vida da Fernanda foi sempre assim, estudos, capacitações, pesquisas, dissertações e

Rolar para cima