Desde muito jovem ouço todo tipo de ditado popular, porém um que comecei a ouvir com mais frequência que outros era que o tempo é dinheiro. Concordo com a frase, mas parcialmente. O tempo não é um pedaço de papel, muito menos algo tão sólido quanto o aço das moedas. Há muitos anos, esse termo não existia, e no lugar de objetos que possuíam valores fixos, faziam trocas entre objetos que acreditavam ter o mesmo valor que o que almejavam, esta ação era chamada escambo.

Transferir nossos sentimentos aos outros é uma atitude questionável, mas acredito que, pelo menos alguma vez já tentamos preencher um vazio com coisas materiais; seja uma roupa, um celular, etc. Na hora, até pode ter aliviado um pouco, mas logo aquela sensação volta, porque fomos ensinados tanto que devemos ter algo, que esquecemos de ser. Não é sobre ter um diploma ou um título, é sobre exercer o que você faz com amor. Infelizmente, nosso corpo pode até ser um templo, mas não vai ser preenchido com objetos como tal.


Certa noite, voltando para meu apartamento, um jovem me abordou.


Seus cabelos cacheados e escuros combinavam com sua roupa; ele parecia levemente alterado, portanto fingi não ter ouvido. Recém chegado na cidade grande, temia inclusive minha penumbra. Ele não parecia ser muito mais velho que eu, então quando ele me chamou mais uma vez, decidi atendê-lo. Talvez ele só quisesse saber as horas.


  — Que estilo da hora, meu! —, comentou, no mais caricato sotaque paulistano. O mais incrível é que eu não vestia nada demais.
  — Obrigado. —, agradeci, já voltando a caminhar, e sorrindo de canto.
  — Peraí, cara, vamo jogar jan-ken-po! —, o garoto parecia animado, já colocando sua mão em frente da outra. Essa brincadeira também é conhecida como “pedra, papel e tesoura”.


  Eu havia achado aquele convite deveras estranho, na verdade, ainda acho, mas ao menos vejo sentido, hoje em dia.


  — Pô, cara, nem vai rolar. Tô sem tempo; tenho que ir pra casa. —, tentei desviar do desconhecido. — Além do mais, eu sou azarado. Vou perder. —, continuei, tentando me justificar.
  — Sabe, às vezes, o azar é uma coisa boa! Jan-ken-po! —, o garoto ignorou minhas esquivas e foi direto ao ponto, fazendo os movimentos. Como ele já havia começado a jogar, decidi que alguns segundos não fariam diferença, e devolvi. Ele ganhou a primeira rodada.
  — Eu avisei, tenho azar. —, ri e ele balançou a cabeça em negação.
  — Nada disso, ainda tem mais rodadas.
Na segunda, eu acabei ganhando e ele sorriu para mim.
  — Agora a gente tem que desempatar!
  — Haha, sim! —, honestamente, eu fiquei animado com aquela rodada.
  — Jan-ken-po! —, ele disse, pela última vez, a qual eu ganhei novamente. — Viu? Você ganhou! Se isso é ser azarado, já pensou se tivesse sorte? —, o anônimo sorriu mais uma vez e me puxou para perto, dando um aperto de mão.


Por algum motivo, eu fiquei feliz com o resultado inesperado daquela interação que eu queria ter evitado.
  — Agora eu te libero! Pode ir, boa noite!
  — Boa noite.


Nos despedimos, e apesar da calçada do prédio ter vários comércios bem frequentados por jovens, nunca mais vi aquele menino, mas sei que jamais vou esquecê-lo, e agora eternizá-lo em um texto, para que outras pessoas também o conheçam.


Mas por que eu vim relatar isso tudo para vocês? Me perguntam. 


Basicamente, o tempo não é palpável. Ele pode ser sentido e visto, como os ponteiros dos relógios ou nas rugas que vemos aparecer, aos poucos, em nosso rosto, mas não podemos pará-lo ou retornar à momentos que já passaram. O acaso é inevitável, e tentar evitá-lo é, sim, perda de tempo. Podemos fazer cronogramas, mas o tempo sempre vai se encarregar de dizer para onde ir e o quê fazer.


Eu não sei o que teria acontecido se eu tivesse simplesmente ignorado o garoto, mas certamente foi um momento divertido onde dei meu tempo em troca de uma experiência que jamais saberei explicar o que motivou ele a fazer o que fez, e essa é a graça da vida.

Não somos apenas a nossa casca, mas os lugares que frequentamos, as pessoas que conhecemos; uma constante inconstância, que jamais permanecem as mesmas. O hoje é o ontem de amanhã. A experiência, o momento que compartilhamos com os outros, esse sim é o dinheiro, ou melhor dizendo, o escambo.
 

 
 
 

Compartilhe esse artigo nas redes sociais

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on email
Email
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on twitter
Share on pinterest
Share on email

DU CHEFF PIZZARIA TUPÃ – ESPAÇO PRESENCIAL – VISITA TECNICA

È AMANHA …..19h30 Inauguração da Ducheff Pizzaria em modo Presencial, ou seja todo o sabor e excelente atendimento nem ambiente amplo e aconchegante, grandes novidades em um novo cardápio e muitas novidades, os Cheffs Isau Veríssimo e Daniel Medeiros , esperaram a pandemia passar e fizeram tudo com muito bom

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 311

“ Embaixador “ Na melhor versão Gusttavo Lima, o guapo tupiniquim: “ Victor Fernandes “ foi assunto mais uma vez em meio aos flashs, do lance, no último FDS. O jovem gato que acaba de assinar sua carteira em novo conglomerado agrícola da nossa estância, fazendo jus ao estilo de vida

as quatro estações de vivaldi em recanto Motel

A Semana mais romântica do ano está chegando e Recanto traz para você a IV Love Week- nos inspiramos nas 4 estações para que possamos refletir que cada um de nós somos um universo de possibilidades … e vivemos momentos diferentes que precisam ser compreendidos … quando esse universo compartilha

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 310

No mundos dos fashionistas , Moda é coisa de indústria e Estilo cada um tem o seu, como diária “Glorinha Calil”, acho que assim definimos, a criatividade e bom gosto de Fla Baracat, a cada pesquisa para a nova estação ele faz bonito além da pesquisa in loco, ansioso para

odair marcuzzo 70 anos

FAMILIA MARCUZZO, é sempre um grande aprazer estar com vocês, primeiro por todo o carinho e acolhimento com todos, Silvana e Ana Paula, tenho certeza que o Odair esta muito Feliz, todos os detalhes estavam impecáveis, a muito tempo um sábado não estava tão badalado em terra tupiniquins, alias estávamos

03 aninhos do DUDU

Os queridos Amanda e Ricardo Manzano receberam no sábado no Buffet Maquina da Alegria os amigos, vips e familiares para celebrar os 03 anos de Eduardo DUDU Manzano, os avós Lucilene  e Marcelo Sabatine, Martha e Valter Manzano também compartilharam deste momento de muita alegria, e brincadeiras, Dudu espoleta como

SOCIAL BY MARÔ VIANA – ANO I – EDIÇÃO 309

“ Diamond “ O seu nome logo me remete o império dos diamantes & joiás finas, que assim como entrelaçaram as mãos no noivado de Ronaldo Nazário “ fenômeno “ & Daniela Cicarelli, faz da joalheria de luxo norte- americana, na famosa esquina Fifth Avenue com 57th Street, em Manhattan :

Leonardo Monteiro – Frango da Maromba

Salve, salve rapaziadinha. Bom, meu nome é Leonardo Monteiro, eu tenho vinte e seis anos, sou morador da cidade de Tupã, São Paulo. sou atleta de fisiculturismo amador com muita honra que eu falo isso hoje depois de muito trabalho duro sou dono da marca e da página Frango da

Rolar para cima